Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os festejos de verão em honra dos padroeiros das aldeias

por antonio-jose-leitao-canotilho, em 25.08.19

IMG_20190815_165100.jpg
Os festejos de verão em honra dos padroeiros das aldeias, são uma expressão cultural e de fé.

Crentes ou não, mais praticantes ou menos, toda a população nesta altura do Verão não deixa de participar nas suas festas anuais, um pouco por todo o concelho.
Sucedem-se em louvor ao Senhor ou em homenagem ao orago ou padroeiro invocados nas paróquias. Mesmo em simples capelinhas, o povo na sua devoção não deixa de manifestar a sua religiosidade, festejando com alegria espiritual que transborda, também em manifestações de carácter popular.
Agosto é o mês fértil nestas manifestações de fé com festas de tradições populares onde, em cada aldeia do concelho, tem maior expressão na festa da sua Padroeira.

O emigrante com a necessidade determinante em responder às diversas carências das suas famílias das suas terras, leva na bagagem uma imagem ou estampa da Santa devota da aldeia e Nossa Senhora de Fátima, como sua protectora na saga da emigração.
O carinho e devoção popular são bem expressos nas promessas e na presença constante que os imigrados para a cidade ou emigrados para o estrangeiro, mantêm na sua terra que faz, anualmente, chorar de alegria os que a reveem.
De modo algum estas manifestações populares podem acabar. Se bem que os arraiais de hoje sejam diferentes dos de há dezenas de anos atrás, porque os tempos mudaram, eles continuam a ter um cunho de raiz popular que não dissocia a fé da sã alegria popular.
A festa anual de Agosto ostenta quase sempre nos cartazes a imagem do padroeiro da terra.

IMG_20190815_170644.jpgCorresponde ao tempo mais agradável e relaxante para todos na aldeia.
Permite que cada um se sinta livre do stress quotidiano, tenha a boa disposição, possua tempo para os amigos, família e comunidade.
A festa evoca boa alimentação, convívio de amigos, roupas novas e divertimentos.
A festa anual da aldeia desempenha uma função importante no robustecimento da identidade e da vida comunitária do povo.
É o momento em que as pessoas da terra se encontram com as suas raízes, evocam as suas memórias comuns, convivem de forma simples e alegre, abrem as portas e procuram apresentar aos de fora a sua melhor imagem. Nesta época de individualismo e de estranheza mútua, temos o dever de apreciar e salvar as festas dos padroeiros como uma oportunidade de enriquecimento pessoal, social e católico.
Estas festas têm características peculiares. São participadas por todos: a festa é de todos, feita por todos, vivida por todos. Mesmo quando se convidam os de fora, é para vir à "nossa festa". Revestem, por outro lado, uma dimensão solene, sagrada que leva a contemplar a dimensão transcendente da vida. Uma festa do padroeiro que não tenha uma missa festiva e uma procissão pelas ruas da aldeia, esquece a postura religiosa da festa e perde, consequentemente e seu valor e consistência.


A nossa população dá relevo aos vários ritos religiosos, participando na missa e na procissão como o ato central de todos os elementos do programa festivo. Enfeitando as ruas e as casas para o momento é uma forma de mostrar o apreço por tais atos religiosos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:51


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D